Buscar
  • Rodrigo Souza

O Atentado ao Presidente (Parte 3)

Atualizado: 26 de Mar de 2020


Não havia mais nada que se pudesse fazer pelo homem deitado ao chão. A médica acostumada a ver várias vezes esvair-se a vida, ficou com o rosto daquele homem em imagem fixa na mente. Algo incomum estava se apresentando ali. Aquele papel em seu bolso pesava toneladas. Queimava, aquecia seu peito. Concentrava toda sua ansiedade e curiosidade nele.

O cansaço se foi por completo. Ela caminha em direção ao seu carro. Rapidamente fecha a porta. A mesma que fez com que aquele homem olhasse por longos dois segundos nos olhos dela. Sentada, ela olha o retrovisor. Os espelhos laterais. Suspira longamente. Vai com sua mão direita ao bolso esquerdo. Aquele papel pode não ser nada, mas a dramaticidade do momento fez parecer que não. Ela desdobra a primeira parte. Desdobra uma segunda parte. TOC, TOC... no vidro do passageiro. Que susto, ela diz. É um oficial de polícia. Ela abaixa o vidro.

A senhora conhece aquele homem? Pergunta. Ela com expressão de pesar diz que não, foi uma ação em resposta ao costume de tentar ajudar, isso que a fez ir até ele. Imaginei, disse o oficial, desculpe o susto que lhe causei. Vi que a senhora ficou nervosa. A médica sorri um sorriso sem mostrar os dentes e uma expressão de que estava tudo bem. O ocorrido naquela área fez com que agentes de trânsito criassem rapidamente uma maneira de escape dos veículos para isolar adequadamente a cena do crime. A médica decide ler o bilhete apenas em casa. O trânsito não estava fácil. Sua casa fica há oito minutos dali. O trajeto ficou demorado. Ela pensava no papel e no rosto daquele homem. Será se já o havia atendido? Pensava. O que teria ali naquele pequeno papel?

Ela destranca a porta da casa. Tira os sapatos. Sozinha naquele apartamento, olhou todos os cômodos como que conferindo se tudo estava em seu lugar. E estava. Ela se sentia tão sobressaltada naquela manhã. E aquele momento de abrir um bilhete de alguém que havia morrido há pouco, era o ápice de emoção que vivia em tempos de rotina, mesmo a rotina tão atribulada de uma médica plantonista, coisa que só fez aumentar sua frieza diante de tudo, ela estava prestes a ver algo que poderia ser interessante o suficiente para viver mais intensamente o intervalo até o próximo plantão.

Ela, despida, as peças de roupa no chão do banheiro. A luz que entrava era uma luz branca. Luz que comporia um cenário belo no reflexo do espelho. Uma planta balança num canto. O silêncio é grande, mas é rasgado pelo som do papel sendo manuseado. Ela abre o papel. Em letras muito inclinadas, caligrafia séria, riscado firme à lápis. Seus olhos se enchem d’água. As lágrimas trêmulas se equilibram para não caírem. Seguram nos cílios como alguém à beira de um precipício pedindo ajuda. No papel se lê:


"Procure:

E. Jenner Olivier

Marcelo Vittoriano

Rogério Rayol

Natália Souza

Tadeu Rocha

Fernanda Delfino

Yuri M"

Sete nomes... Um deles, coincidentemente idêntico ao de seu pai.

20 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

©2020 por NasCrônicas. Orgulhosamente criado com Wix.com