top of page
Buscar
  • Foto do escritorRodrigo Souza

Uma desgraça tão bonita



É um desperdício ser obrigado a substituir o amor pelo desejo de que morra em mim qualquer lembrança. É ver definhar e ir minguando a raridade de um amor nocivo, mortal, e lindamente desnecessário. Ver ir sorvendo dessa planta que nasceu fora do tempo, nasceu sem vaso, de uma fresta, uma rachadura na parede e cresceu frondosa sem cuidado algum de jardineiro, uma essência gostosa de fragrância mortal. Podre de beleza. Rica de uma pobreza singela. Simplesmente nasceu robusta como se tivesse planejado. Que desperdício é ter que passar com displicência o fio de uma faca no tronco de uma desgraça tão bonita. 


Só há uma forma de que não prospere folha alguma - a demolição do prédio inteiro. 

Demolir um prédio inteiro por causa de uma praga tão singela, tão formosa e cheia de saúde. É tão urgente que essas cores impossíveis parem de refletir luz. É crítico o que essa paz assustadora nos oferta. Nos assalta de prosperidade. Nos toma entregando tudo o que muitos perdem a vida a procurar. Que morte terrível é ver a vida florescer assim, maldita. Uma desgraça tão bonita.


Maldito deve ser o pólen dessa praga. Deve obstruir de tão doce o bico do beija-flor encantado, ave ignorante que se nutre de um monumento inútil. Deve drogar a abelha. Sua poda deveria ser à fogo. Seria mais seguro queimar o prédio inteiro. O prédio inteiro por causa de uma beleza tão completa e cancerígena. Urge destruir as paredes desse prédio para que jamais cor alguma continue a existir, cheiro algum exale, nada que lembre tão frondoso pecado em forma herbórea. Uma planta inútil, que não serve nem de lenha. Uma desgraça tão bonita.

44 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page